Guarda Municipal resgata tucanos e outras 97 aves silvestres em feira de Natal

A Guarda Municipal do Natal (GMN) resgatou nesse domingo (25), 97 aves silvestres que estavam sendo comercializadas ilegalmente na feira livre do bairro de Cidade da Esperança, zona Oeste da capital. Entre as várias espécies resgatadas pelos guardas municipais foram identificados dois tucanos, que são aves silvestres provenientes das florestas das Américas do Sul e Central.

O resgate contou com a participação de guardas municipais lotados no Grupamento de Ação Ambiental (Gaam) e na Ronda Ostensiva da GMN. Entre os pássaros foi identificada pelo menos 15 espécies diferentes de aves silvestres. Muitos estavam confinados em pequenas caixas, sem água e com ventilação comprometida onde até 8 pássaros ficavam presos, sendo assim detectado pelos guardas o crime de maus-tratos.

Além dos tucanos, as guarnições da GMN identificaram outras espécies a exemplo do golinha, azulão, sibite, galo de campina, graúna, cancão, verdelin, rolinha e sabiá-laranjeira. A intervenção dos guardas municipais foi motivada por denúncia de populares via número 190, do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Cios). Os agentes planejaram as abordagens de maneira a evitar que os pássaros fossem retirados da feira antes da chegada das guarnições, o que é comum, já que os traficantes utilizam de observadores para informar a chegada do policiamento.

A coordenadora do Grupamento de Ação Ambiental da GMN, Francineide Maria, lembrou a importância das pessoas denunciarem esse tipo de crime que afeta diretamente a fauna e a flora do país e contribui para o desequilíbrio ecológico. “Pedimos que o cidadão contribua denunciando para que possamos combater mais fortemente essa prática danosa a natureza e cruel com os animais”, pediu.

O Supervisor de Fiscalização Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), Felipe Gomes, lembrou que o comercio, criação e captura de animais silvestres é crime nos termos da Lei 9.605/1998, e que os achados no cometimento deste crime, podem pagar multas que variam de R$ 500,00 a R$ 5.000,00 por animal encontrado em sua posse.

O tráfico de animais silvestre é a terceira atividade de comércio ilegal que mais movimenta dinheiro no mundo, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e de armas. Segundo a ONG Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres, cerca de 38 milhões de animais são retirados anualmente do seu habitat, somente no Brasil. São 12 milhões de espécies distintas e estima-se que 90% desses animais cheguem a óbito logo após retirados da natureza.