Corpo de jornalista saudita foi desmembrado e ‘dissolvido’, diz governo turco

O corpo do jornalista saudita Jamal  Khashoggi, morto no consulado de seu país em Istambul, na Turquia, foi desmembrado para ser "dissolvido" com mais facilidade. A declaração é do assessor da presidência turca, Yasin Aktay, que concedeu entrevista ao jornal Hürriyet.

"Queriam assegurar que não ficaria nenhum rastro do corpo. Todos os locais para os quais nos levam as câmeras de segurança foram examinados e não encontramos o cadáver", contou o assessor. "Matar uma pessoa inocente é um crime. O que fizeram com o corpo é outro crime e uma vergonha", acrescentou.

Segundo informações da AFP, uma fonte do governo turco afirmou ao jornal "Washington Post", que as autoridades avaliam a hipótese de dissolução do corpo com o uso de ácido.

Em artigo publicado em vários meios de comunicação, a noiva do jornalista, Hatice Cengiz, apelou para que adotem "medidas reais, sérias e concretas para esclarecer a verdade e levar os responsáveis à Justiça". Ela quer que os Estados Unidos, onde Khashoggi se exilou em 2017, lidere esses esforços.