Maior comprometimento com isolamento pode evitar lockdown

Para evitar a necessidade de o Estado ter que decretar o isolamento total obrigatório, algumas medidas devem ser tomadas agora. Para o coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) do Hospital Onofre Lopes, da UFRN, e representante do RN no Comitê Científico do Consórcio Nordeste, Ricardo Valentim, a pactuação e um maior comprometimento das prefeituras, instituições e cidadãos comuns com as regras de proteção previstas no decreto do Governo do Estado para o enfrentamento à pandemia do coronavírus são condições que antecedem a decretação de lockdown.

“Antes de decidirmos por medidas mais duras, o Governo do Estado deve obter maior comprometimento das prefeituras, instituições e pessoas com o cumprimento das regras de isolamento social e das medidas protetivas – como evitar filas em bancos e órgão públicos, por exemplo” afirmou Ricardo Valentim em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira, 14, na Escola de Governo, no Centro Administrativo do Estado.

O especialista insiste que a sociedade como um todo precisa compreender a importância do isolamento social. “A taxa de isolamento está baixando, o que é extremamente preocupante. Ficar em casa deve ser compromisso de todos para preservar a sua vida e das outras pessoas. É uma oportunidade de salvar vidas, o que é super importante neste momento e significa a contribuição de cada um com a defesa da saúde pública, do setor produtivo e da coletividade. Só a partir daí poderemos começar a pensar em retornarmos à normalidade”.

Valentim destacou ainda que as filas nos bancos têm relação direta com o contágio e a consequente lotação dos leitos. Ele defende uma mudança na logística dos pagamentos como forma de criar uma proteção social antes da adoção de medidas de restrição mais radical, como o lockdown.

Ao defender que as prefeituras dos municípios e todos os organismos da sociedade tenham maior comprometimento com a execução das medidas de proteção social e isolamento previstas no decreto do Governo do Estado para enfrentamento da pandemia, Ricardo Valentim enfatiza que a administração estadual é a maior autoridade sanitária e as regras impostas devem ser respeitadas.

Medidas mais restritivas, como prefere Ricardo Valentim usar em substituição ao termo lockdown, exigem ações duras como a atuação da polícia e do Exército nas ruas, multando pessoas e estabelecimentos. “Devemos antes buscar reforçar o isolamento com o comprometimento de toda a sociedade”, frisou.

O coordenador do LAIS explica que o Comitê Científico do RN estuda e analisa os indicadores da pandemia diariamente. São doze professores pesquisadores e cientistas acompanhando o comportamento do vírus e estudando indicadores como taxa de ocupação de leitos e de isolamento social para orientar a tomada de decisão da administração pública com base em critérios científicos.

Nesta quarta-feira, 13, o Comitê se reuniu com a Organização Panamericana de Saúde para analisar indicadores e ampliar o conhecimento sobre a evolução da pandemia e as questões que levam ao maior ou menor grau de entendimento sobre a necessidade do isolamento social.

ISOLAMENTO E SUPERLOTAÇÃO

A alta taxa de ocupação de leitos específicos para atendimento a pacientes infectados pelo novo coronavírus no Rio Grande do Norte tem causado preocupação. As autoridades da saúde continuam alertando para o risco da reduzida taxa de isolamento social – que nesta quarta-feira, 13, foi de apenas 42,34%, quando o mínimo indicado seria 60%.

“O isolamento social mais amplo permite salvar mais vidas porque reduz a contaminação e proporciona mais tempo para abertura de novos leitos, ampliando o número de pacientes atendidos e evitando mortes” explicou o médico Petrônio Spinelli, secretário adjunto de saúde do Governo do Estado na entrevista coletiva de atualização do quadro epidemiológico e ações em combate à Covid19.

Nesta quinta-feira, 14, são 8.438 casos suspeitos, 2.537 confirmados, 6.636 descartados, 853 recuperados e 107 óbitos confirmados. Os óbitos em investigação somam 56. Ao analisar o quadro Spinelli considera que o momento exige unidade entre o Governo e os municípios e a adesão das pessoas às medidas protetivas.

“O Governo do Estado está fazendo a sua parte, estamos abrindo novos leitos em todas as regiões. Esta semana teremos 11 novos leitos no Hospital Giselda Trigueiro, 6 em Pau dos Ferros, mais 10 no Hospital da Polícia Militar, em Natal, e na próxima segunda-feira estaremos transferindo uma enfermaria do Giselda para o Hospital Onofre Lopes, em parceria com a UFRN, o que vai abrir espaço para mais leitos naquela unidade”, afirmou, lembrando que a abertura de novos leitos é limitada e a população precisa se recolher ao isolamento para reduzir o número de casos.

O Governo também atua para viabilizar a abertura de Hospitais com UTI em Parnamirim e São Gonçalo Amarante e já contratou a abertura de 20 leitos críticos no Hospital João Machado, em Natal, e 10 no Hospital Regional de Macaíba. Além disso, a meta de chegar a 70 leitos com respiradores em Mossoró.