Filhos de profissionais da saúde pedem que as pessoas fiquem em casa para evitar coronavírus: ‘Quero a mamãe de volta’

“Fiquem em casa por mim. Quero minha mamãe de volta sã e salva”. Este é o pedido da pequena Ana Helena, de apenas 2 anos e nove meses. A mãe, a enfermeira Blandina Dutra, é uma das milhares de profissionais de saúde que têm se dedicado ao combate à pandemia do coronavírus no Brasil.

A principal recomendação para prevenir a proliferação do vírus é, justamente, que a população fique em casa. Blandina confeccionou a placa com o intuito de conscientizar a família e os amigos, mas a foto da filha viralizou na internet.

“Temos famílias e queremos voltar seguros para casa. E a única forma é tentando o isolamento domiciliar”, falou a enfermeira que mora em Natal e trabalha há quatro anos no município de São Bento, na Paraíba.

“Não basta o nosso risco de trazer o vírus para dentro de casa, e ainda as pessoas não ajudam, não cumprindo o isolamento. Fiz a plaquinha para tentar sensibilizar, inicialmente, os da família e amigos próximos, mas a foto já tomou proporção e tem feito muitos refletirem”, completou.

A pequena Ana Helena é autista e, quando Blandina viaja para cumprir os plantões em São Bento, nos fins de semana, fica sob os cuidados do pai, que é bancário e está trabalhando em casa neste período de quarentena.

“Além de sermos profissionais da saúde, temos muitos casos de famílias com grupo de risco. Meu caso especial é por ter uma filha autista, que é bem mais complicado, pois eles não compreendem a situação que passamos. Temos que trabalhar na saúde, e, se necessário, ainda precisamos nos isolar”, contou a enfermeira.