PM recaptura traficante que havia fugido do CPD de Jucurutu-RN

A Polícia Militar da cidade de Jucurutu-RN, recapturou o agora há o preso Danilo Pereira de Lima, 20 anos, natural de Natal e que reside em Florânia-RN, que havia fugido por volta das 11h30min da manhã de ontem terça-feira (07), do Centro de Detenção Provisória – CDP daquela cidade, após pular o muro e fugir para o matagal.

Danilo, que está detido há cerca de seis meses por tráfico de drogas, foi encontrado dentro do hospital daquela cidade. Ao ser detido, disse que estava com problemas mentais e queria ir embora para sua cidade.


Policia Militar prende homem com 250 pedras de crack na zona oeste de Caicó

Acusado e droga apreendida - Fotos: Jair Sampaio

Policiais Militares da Rádio Patrulha do 6º Batalhão da cidade de Caicó realizaram mais uma grande apreensão de drogas na tarde de ontem terça-feira no bairro João XXIII, zona oeste de Caicó.

De acordo com informações repassadas a nossa reportagem os Policiais realizavam patrulhamento de rotina quando abordaram um homem e acabaram encontrando a quantia de 250 pedras de crack embaladas prontas para serem comercializadas.

O acusado identificado pela reportagem como João Bosco da Silva, 39 anos, conhecido por "Bosquila"foi conduzido junto com a droga para a Delegacia de Policia Civil onde serão realizados os procedimentos de flagrante.

Na Delegacia de Policia o acusado disse que já cumpriu 7 anos de prisão na Penitenciária Estadual do Seridó pela pratica de delitos como furtos e roubo.


Polícia Civil prende acusado de homicídio na cidade de Poço Branco/RN

A Equipe de Policiais civis do 13º Distrito Policial efetuaram na manhã de ontem terça-feira (07), no município de Poço Branco, a prisão de um homem identificado como Regiano Felipe da Silva, de 32 anos, acusado de homicídio. Contra ele, havia um mandado de prisão preventiva expedido pela 1ª Vara Criminal de Natal.

Regiano é apontado como o autor da morte do vigia de embarcações Severino Felício de Sales, de 60 anos, assassinado a pauladas, no bairro da Redinha, no dia 23 de março do ano passado. Segundo as investigações da Polícia Civil, o crime teria sido motivado por vingança, já que a vítima teria denunciado o irmão do acusado à polícia, depois de tê-lo flagrado furtando objetos em um dos barcos.

A vítima foi morta quando saía do trabalho. Depois de informações colhidas pela Polícia Civil, Regiano foi localizado essa manhã na residência dos pais dele, mas não reagiu à prisão. Mesmo diante das evidências, ele nega as acusações.


Revista no “Pereirão” encontra drogas, celulares e cachaça artesanal

Cachaça artesanal apreendida dentro do presídio de Caicó - FOTOS: Marcos Dantas

Uma revista de rotina na Penitenciária Estadual do Seridó em Caicó foi realizada na tarde de ontem terça-feira, 07 de fevereiro, e o resultado foi achado de drogas, cachaça, celulares e etc… Pelo menos cinco celas do Pavilhão “B” do presídio foram vasculhadas. Lá foram encontrados 8 celulares, 12 facas artesanais, 1 faca de cozinha, 1 faca peixeira também artesanal, 5 maricas, 4 carregadores de celular, 4 ferros, 14 baterias de celulares, 13 mergulhões, 30 litros de preparo de cachaça artesanal (fabricada no presídio), 10 tabletes de maconha e 30 trouxinhas de maconha.

Armas artesanais e drogas apreendidas na operação dentro do presídio

O vice-diretor da unidade, Eider Brito, disse em entrevista à Rádio Caicó AM, que “a mudança de estratégia vem sendo primordial para o sucesso das operações. Ao invés de se fazer vistorias em todo o presídio, para evitar vazamento entre os próprios detentos, o trabalho passou a ser realizado por setores diferenciados”, afirma.

"Marica" - cachimbo pra fumar o crack - apreendido na revista

No final da ação todo o material apreendido foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil onde foi feito o registro.

Participaram da revista, policiais militares, agentes penitenciários e os diretores da unidade.


Jovem foi autuado na Lei Maria da Penha acusado de maus tratos contra a própria mãe em Jardim do Seridó

Dona Severina - vítima

Há muito tempo que dona Severina Maria da Conceição, conhecida como Nega de Zé Martins, não sabe mais o que é tranquilidade no seu próprio lar.

Dona Severina vem sofrendo há muito tempo com um filho que chega quase que diariamente embriagado em casa e começa a bagunçar quebrando móveis, ameaçando a própria mãe e os vizinhos. Não é a primeira vez que o jovem João Martins da Silva, conhecido como Dão do Picolé, 33 anos, foi preso acusado do mesmo crime.

Acusado - Dão

Em contato com a reportagem da Cabugi do Seridó, dona Severina muito nervosa e sofrida nos relatou que a causa do filho ser agressivo é a cachaça e que sem o álcool o rapaz é um bom filho, e pede que a justiça de Jardim tome as providências relacionadas ao caso, porque não aguenta mais o sofrimento.

Dona Severina é uma idosa de 67 anos, viúva, e não consegue ter paz na sua casa, localizada na Rua Manoel Paulino, nº 335, Bairro Comissão, Jardim do Seridó.

Dão do Picolé foi ouvido pelo escrivão Jaime Costa e culpou a bebida pelos seus atos, autuado em flagrante na Lei Maria da Penha (11.340/06) ficou preso em uma das celas do CDP a disposição da justiça.


Absurdo: PMs grevistas usam crianças e adolescentes como escudo

Três crianças haviam deixado a Assembleia Legislativa da Bahia, onde estão os grevistas

Grevistas da Polícia Militar que invadiram e ocupam a Assembleia Legislativa da Bahia, em Salvador, usam crianças e adolescentes como escudo, agravando a tensão e dificultando a operação de desocupação do prédio.

O Ministério Público e deputados estaduais acusaram o comando de greve de usar os filhos dos militares (cerca de 150 estão lá dentro, segundo os líderes do movimento) para deter o avanço das tropas do Exército. Desde 5h30m desta segunda-feira, 850 homens da Brigada Paraquedista, da Polícia do Exército e de outras unidades federais, reforçados por contingentes da Polícia Federal e das polícias Militar e Civil e auxiliados por blindados e helicópteros, isolam o local.

Durante o dia, houve pelo menos cinco confrontos entre as tropas e manifestantes que tentavam entrar, furando o bloqueio. Decisão judicial assinada pelo juiz Adenilson Barbosa dos Santos, da Justiça estadual, determinou que os pais retirem já as crianças do local, mas, até o início da noite, apenas um casal deixou espontaneamente o local, em companhia dos três filhos.

No fim da noite, mais cinco crianças saíram da Assembleia junto com famiiares. Os manifestantes também se recusam a cumprir a obedecer à determinação de se retirarem do prédio.


Exército envia tropa do RN para reforçar segurança na Bahia

Os soldados viajaram por volta das 12h de ontem (6), partindo de Natal em direção à capital baiana

A situação alarmante pela qual passa o Estado da Bahia desde o início da greve da Polícia Militar fez com que uma tropa do Exército do Rio Grande do Norte fosse enviada à capital do Estado, Salvador, para reforçar a segurança da população.

Os cerca de 130 soldados - 70 do RN e 60 de Bouyex, na Paraíba - foram convocados pela presidente da República, Dilma Roussef, à pedido do governador do Estado, Jaques Wagner. Os soldados viajaram por volta das 12h de ontem (6), partindo de Natal em direção à capital baiana.

O major Gelson de Sousa acredita que a tropa do RN deverá permanecer no local até o momento em que for decretado o final da greve.  "Nós fomos chamados pela presidência da república. Devemos permanecer no local até quando a greve durar" estipula o major, que pertence às Forças Armadas no RN.

De acordo com o major Gelson de Sousa, o envio de uma nova tropa do RN para a Bahia dependerá de como a greve deverá transcorrer nos próximos dias. "Tudo depende de como as coisas irão acontecer por lá. Mas nós temos tropa suficiente caso seja necessário mais gente", disse.


Cabo da PM do RN é preso quando participava de movimento grevista na Bahia

Cabo Jeoás Nascimento - FOTO de Adriano Abreu

O presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS) da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, cabo Jeoás Nascimento dos Santos, é um dos policiais que tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça da Bahia, no sábado passado, dia 4 de fevereiro.

A Polícia Militar baiana está em greve desde o dia 31 do mês passado e 11 policiais, apontados como líderes do movimento, tiveram a prisão decretada. Jeoás estava na Bahia, representando a Associação Nacional de Praças da PM, e por isso foi envolvido. Ontem o Comando da Polícia Militar no RN cumpriu o mandado de prisão contra o cabo.

Confira mais detalhes clicando AQUI


Quadrilha assalta agência do Banco Itaú e leva R$ 600,00 mil reais

Uma quadrilha realizou um assalto na agência do banco Itaú de Candelária, localizado às margens da BR-101. Seis homens armados chegaram ao local em dois veículos, renderam o segurança e a gerente da agência e levaram R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais).

Segundo o tenente Vinicius César, do 5º Batalhão da Polícia Militar, o assalto ocorreu por volta das 8h desta segunda-feira (6), e não havia clientes na agência. Os homens fugiram em dois automóveis, um Celta e um Pálio, com destino desconhecido.

Ainda de acordo com o tenente Vinicius, durante toda a ação, os criminosos ameaçaram a gerente do banco, afirmando que estavam monitorando sua família, para forçá-la a abrir o cofre da agência.
 


Duas adolescentes tentaram suicídio simultaneamente ingerindo “rivotril” e “água sanitária” em Caicó

A Polícia Militar com apoio do Corpo de Bombeiros de Caicó conduziram duas jovens menores de idade, residentes no bairro Boa Passagem para a urgência do Hospital Regional do Seridó por tentarem cometer suicídio por volta das 18h33min da noite desta segunda-feira (06).

As duas tentaram cometer suicídio simultaneamente ingerindo água sanitária e o medicamento Rivotril, as mesmas foram socorridas por Policiais Militares que estavam perto da residência das duas garotas. Ambas ficaram em observação médica acompanhada por familiares.

No hospital, familiares pediram para não passarem mais informações, disseram apenas que as meninas estão conscientes e se recuperam bem.

Foi a terceira tentativa de suicídio registrada somente neste segunda-feira (06) em Caicó, haja vista que no início da tarde outra adolescente tentou cometer o ato extremo por enforcamento, sendo socorrida posteriormente para aquela casa de saúde.

Fonte: Rosivan Amaral


Vitima fatal e sobrevivente de grave acidente eram residentes em São Bento/PB

Conforme informações, na manhã desta segunda-feira (06), foi registrado um grave acidente na PB-293 entre Pombal e Paulista, onde um veículo acabou perdendo o controle na pista e capotando por várias vezes.

A Condutora do veículo, Jéssyca Giseli Soares da Silva, 22 anos, morava na cidade de São Bento, e acabou morrendo no local do sinistro. A passageira ficou gravemente ferida.

As duas jovens vinham no carro da Suzuki, um Grand Vitara de cor branca e placas NOA 8876-RN, quando segundo a Polícia, Jéssyca supostamente conduzia o automóvel em alta velocidade, e acabou sobrando em uma curva acentuada, capotando o carro que foi arremessado por mais de 100 metros do local, e ficou bastante destruído.

As vítimas vinham da Festa da União e Amizade, com Garota Safada, realizada na noite de ontem domingo (05), em Pombal.

A outra jovem identificada por Clissiana Araújo, 18 anos, residente em São bento, foi socorrida pelo SAMU para Hospital Regional de Pombal, e em seguida transferida para o Hospital de Campina Grande em estado grave.


Acidente registrado na RN 088 neste final de semana

Moto usada pelo casal

Mais um acidente foi registrado na RN 088 entre Jardim do Seridó e Parelhas ontem, domingo (5), às 04h após a entrada do Povoado Currais Novos.

Segundo informações da guarnição de serviço da PM, comandada pelo cabo Cleandro, um casal identificado como Werberson de Araújo Gomes e sua esposa Fabrícia Marcelle L. Lima residentes na rua Cicero Thomaz de Azevedo, 670, Bairro Cruz do Monte em Parelhas, eles se deslocavam na RN 088 voltando para Parelhas quando sofreram o acidente.

As vítimas foram socorridas por uma ambulância de Parelhas e encaminhadas para o hospital municipal onde receberam os primeiros atendimentos e em seguida tranferidos para Natal devido a gravidade dos ferimentos.

Veículo totalmente destruido

Werberson conduzia uma motocicleta NX 200, cor vermelha, placa KGD 6441 de Macaiba. Segundo informações da polícia o mesmo não possui CNH (carteira nacional de habilitação). Os mesmos foram salvos por estarem usando a proteção do capacete.


PM prende mais um fugitivo de Alcaçuz que estava praticando assaltos em Santa Cruz/RN

Uma ação integrada entre as polícias militares do Rio Grande do Norte e da Paraíba resultou na prisão de um dos fugitivos da penitenciária de Alcaçuz. José Rodrigo da Silva, de aproximadamente 28 anos, foi preso na madrugada de domingo (5), no bairro Pasto Novo, em Marí-PB.

Com o acusado a polícia apreendeu um revolver calibre 32, com duas munições intactas e três deflagradas, três grandes pedras de crack, um celular sem chip, duas facas peixeiras e aproximadamente quinhentos reais em espécie. A polícia chegou a Rodrigo, após o criminoso cometer uma série de assaltos na zona rural de Santa Cruz-RN. Entre os dias 27 e 29 de Janeiro, o fugitivo, em parceria com outro fugitivo, possivelmente Marcos Antônio de Lima, tomaram por assalto duas motos e uma pistola.

A primeira moto foi tomada de um moto taxista que foi violentamente agredido, juntamente com o passageiro. Cerca de dois dias depois, a dupla de criminosos cercou um Sargento da PM/RN em uma estrada vicinal, na zona rural de Santa Cruz e tomou por assalto a moto Titan, ano 1996, de cor verde, de placas MXU-8161-RN. Além da moto os criminosos levaram uma Pistola Taurus, PT 58, HC Plus - Calibre 380 - Inox, kvj77994, pertencente ao SGT. A motocicleta foi localizada no dia seguinte, abandonada por trás de um motel na cidade de Santa Cruz-RN.


Jovem foi detido tentando entrar no Presídio Pereirão com celular no ânus

Foto: Jair Sampaio

A prova de que homens também estão tentando entrar para dentro da Penitenciária Estadual do Seridó, com drogas e aparelhos eletrônicos (celulares), foi provada no fim de semana passado.

Os agentes penitenciários descobriram o jovem Mayakson de Oliveira Santos, de 19 anos, que reside no Bairro Salviano Santos, com um telefone celular no ânus.

Ele tentava entrar no presídio no dia em que ocorrem as visitas aos presos.

Quando a tentativa foi descoberta, o Mayakson Santos foi encaminhado a uma unidade de saúde onde houve a retirada do aparelho. Conduzido à delegacia de polícia o jovem foi autuado em flagrante pelo delito cometido.

Em depoimento disse que iria vender o celular por R$ 1.000,00 dentro da penitenciária.


“O estado não manda dentro de presídio”, afirma o Juiz Henrique Baltazar

O Juiz Henrique Baltazar (direita) cobra do secretário Fábio Hollanda providências para Alcaçuz

Em meio aos desdobramentos da maior fuga da história do presídio de Alcaçuz, o termo inimigo foi usado pela primeira vez pelo secretário estadual de Justiça e Cidadania, Fábio Holanda. “Inimigos foram vencidos”, disse ele afirmando ter tomado as rédeas da penitenciária. A frase indireta parece ter causado um efeito direto. O ex-coordenador José Olímpio, exonerado após a fuga, tratou logo de declarar que não era inimigo do Governo. Os agentes penitenciários mostraram um vídeo à imprensa para provar que os presos poderiam fugir sem a ajuda deles. O único que não armou sua defesa foi o próprio Estado, ainda dono da razão. “O caos acabou. Nunca mais acontecerá algo assim no estado novamente”, afirmou, mais uma vez, Fábio Holanda. Quinze dias depois mais seis presos fugiram e surgiu uma nova frase: “É o Estado que não está dando condições para o sistema funcionar”. Dessa vez, quem fala é o juiz de Execuções Penais e corregedor de Alcaçuz, Henrique Baltazar dos Santos. Em entrevista a O Poti/Diário de Natal, ele deixou claro não só a falta de investimentos no sistema penitenciário, mas a corrupção latente por ausência de fiscalização. O juiz diz ainda que o Estado não tem o controle de quem está preso em Alcaçuz, e ainda levanta a possibilidade dos 41 presos não terem fugido no mesmo dia.

Como o senhor resumiria a situação de Alcaçuz hoje?
Um desastre. A penitenciária de Alcaçuz, além de velha e deteriorada, apresenta problemas novos. Você tem um presídio que quando foi construído já não estava correto, em cima de uma duna, onde há uma possibilidade enorme de cavar um túnel para fugir. Também ocupa uma área muito grande e não é bem separado.

A penitenciária foi mal projetada?

Eu não sei se ela é mal projeta ou o problema foi na construção. Aqueles pavilhões precisam de contenções ao redor. Uma cerca colocada ao redor e com penetração subterrânea. Não tem nada disso. Existem vários métodos de contenção de túneis. Além disso, o prédio, na parte da estrutura física, é todo velho e com problemas. Há guaritas que não são utilizadas. A principal, por exemplo, os policiais não podem subir porque levam choque. Ela fica em cima de uma caixa d’água. E o outro problema é que todos os pavilhões estão deteriorados. Hoje, os agentes não ficam nesses pavilhõessozinhos ou em grupos, com medo de serem atacados. Os presos podem sair tranquilamente de dentro das celas e percorrer os pavilhões, porque há buracos nas estruturas.

O senhor falou sobre a falta de infraestrutura de Alcaçuz. Mas nos últimos 15 dias, com essas duas fugas, o senhor acredita em problemas estruturais ou em algum tipo de sabotagem?

Não acredito, como quer crer o secretário de Justiça. Apesar de se saber que alguns servidores revoltados com alguma coisa podem estar fazendo corpo mole, e não observam certas coisas, eu não acho que tenha sido intencional. O que há realmente é um problema de gestão. A gestão anterior quis corrigir o problema da falta de agentes na estrutura de Alcaçuz, criando um outro maior: diminuindo a segurança interna do presídios. Como os agentes não se sentiam seguros dentro dos pavilhões, então tiraram todo mundo, inclusive, do Pavilhão 5. A informação que eu tenho é que a energia elétrica está com problemas e não há luminosidade no Pavilhão 5. Você tem cinco pavilhões dentro de um presídio, sem nenhum agente trabalhando durante a noite. Só durante o dia. Você tem uma falta absoluta de segurança. Essa falta de gente é que potencializa o problema estrutural. Nessa ultima fuga (fugiram seis presos na última quinta-feira), o guariteiro viu e disparou. Mas como os presos conseguiram acessar esse buraco?

Esse pavilhão não foi revistado há poucos dias?

Os pavilhões são revistados, mas isso não é feito corretamente. Foi exatamente o Pavilhão 1 que passou pela revista. Mas a revista que foi feita pela PM, que deve ter visto o túnel tapado. Só que estava tapada apenas a entrada dele.

Esse mesmo túnel foi utilizado na última fuga, antes da saída dos 41 presos?

É. O fechamento dos túneis lá é feito precariamente. Colocam alguns tijolos, que em uma noite de trabalho o preso desmancha o serviço. É necessário em Alcaçuz um serviço grande. Tem que ser desde máquinas que cavem um fosso ao redor do presídio, para poder os túneis serem descobertos e efetivamente tapados. Se isso não for feito, não via adiantar. Vai acontecer outra e outra fuga.

O senhor deve ter visto o vídeo apresentado pelos agentes que mostra como os presos teriam fugido. Como o senhor avaliou o vídeo juridicamente? Todas aquelas informações podem ser divulgadas?

O que se noticiou é que o sindicato quis mostrar que as acusações contra eles eram falsas. Isso é uma avaliação errada dos agentes penitenciários. Eles precisam pensar na segurança do sistema antes de fazer isso. Para mim, há possibilidade de ter sido praticada uma falta disciplinar, por mostrar, inclusive aos presos, como fugir. Eles podem ter quebrado uma regra de segurança. Eu não quero analisar do ponto de vista jurídico, porque eu posso julgar um processo que venha a ser aberto. Só posso analisar do ponto de vista da segurança, dizendo que isso pode ajudar em futuras fugas. Por outro lado, o vídeo mostra que houve no mínimo negligência ao se permitir um monte de pedaços de ferro dentro de uma cela. Não tem como guardar lá dentro, a construção não permite. Como esses ferros ficaram dentro da cela sem que ninguém da segurança tenha visto?

O que evoluiu nas conversas que o senhor teve ao longo desses 15 dias com o secretário de Justiça?

Falei duas vezes com Dr.Fábio (Hollanda). Ele primeiro precisa conhecer o sistema. A avaliação inicial de que existia um inimigo está incorreta. Eu não vejo nem Olímpio (ex-coordenador da Coordenadoria de Administração Penitenciária) e nem no Major Lisboa (ex-diretor de Alcaçuz) como inimigos. O que eu acompanhei durante muito anos, é uma luta intensa de quem está na Coap (Coordenadoria de Administração Penitenciária) junta a Sejuc para conseguir recursos que não vêm. Eu vi durante meses os diretores dos presídios tentando conseguir, por exemplo, cadeados. Isso é uma coisa que precisa se comprada em quantidades enormes. A Coap não tem verba, e buscava na Sejuc, mas nem sempre isso acontecia. Viaturas quebradas e não seconseguia dinheiro para consertar. Faço parte da comissão que controla o fundo penitenciário, e nós liberamos mais R$ 400 mil para o sistema adquirir armas. É uma coisa lenta. No final do ano foi feita essa liberação e até agora não foi adquirido esse material. Então, eu não via esses inimigos dentro do sistema, o que há é um sistema que não tem como funcionar.

Por que os materiais ainda não foram adquiridos?

Eu não sei. Eu comentei com Dr. Fábio que nós tínhamos aprovados a liberação do dinheiro. Ele nem sabia, disse que iria se informar. Na época da reunião foi dito que o Exército tinha autorizado comprar 100 espingardas calibre 12, 100 coletes, e uma quantidade razoável de munições. É uma coisa que ajudaria a resolver a deficiência da segurança. Os agentes reclamam que trabalham com armas próprias. O estado deveria tentar junto ao Exército e à Polícia Federal a liberação de armamentos apreendidos para usar no sistema penitenciário.

Ao que parece, o inimigo é o próprio estado?

É o que eu sinto mais. É o Estado que não está dando condições para o sistema funcionar. O secretário Thiago Cortez me reclamava sempre que dava determinações aos setores da Sejuc, como por exemplo, a engenharia, para fazer um projeto, e o sistema (servidores) não obedecia. É um problema de gestão. O Estado não consegue mandar nos seus funcionários. Alcaçuz é um exemplo. Para mim, tem um problema grave na região, alguma bactéria. Os policiais frequentemente faltam o trabalho porque estão de licença médica. Antes quando existia uma gratificação para os policiais que trabalhavam em Alcaçuz ninguém ficava doente, agora fica todo mundo. Parece que a falta desse pagamento está importando em uma bactéria qualquer que está atacando os policiais. O Estado não tem controle sobre a falta dos seus funcionários ao trabalho. Na própria Coap consta que tem agente tirando licença médica em cima de licença médica. O Estado não tem uma junta médica que avalie isso para saber se não está tendo uma fraude. A grande maioria dos agentes é bom e dedicado, mas existe uma pequena parte que não presta, que vai desde vagabundo que não quer trabalhar até corruptos que vendem fugas e possibilitam certas situações.

Independente de ser droga, celular, bebida alcóolica, o material só entra com ajuda de alguém. O problema de Alcaçuz só vai ser resolvido quando for combatida a corrupção?

Não só de Alcaçuz como de todo o sistema penitenciário. O PEP ( Presídio Estadual de Parnamirim) tem um índice enorme de drogas entrando lá. O sistema fazia uma revista aprendia e 15 dias depois tinha de novo. Como isso está entrando? Está nascendo lá dentro? Droga, arma e celulares entra direto. E porquê não é feito nada? Eu já ouvi de autoridades penitenciárias que elas, às vezes, deixam de investigar certas situações com mais cuidado porquese demitirem os agentes, não vai ter suficiente para colocar no lugar.

As autoridades deixam de investigar os servidores por não poder substituí-los?

Parece-me isso, pelas conversas que eu tenho escutado. Muitas vezes, não tira o agente que seja corrupto porque não tem quem colocar no lugar. O Estado não tem velocidade na reposição desses servidores. De toda forma, o Estado tem que trocar esses agentes. Um detalhe que eu escuto ser dito que está errado: o número de agentes foi mais do que duplicado nos últimos anos. O problema é que o número de presos, uma média de seis mil hoje, há dois anos eram 2.500, e não é porque prendeu muita gente, não. É que os presos que estavam nas delegacias foram assumidos pela Coap, que não se estruturou para isso.

O senhor acha que o principal problema do sistema penitenciário do Rio Grande do Norte hoje é a corrupção ou a falta de estrutura?

Fica difícil dizer qual o principal. Mas existem alguns grandes males que a gente poderia anotar. O primeiro é a estrutura física.Ruim e pequena. Presídios que, além de poucos, são mal localizados. Não tem dificultadores de fugas, que são frequentes. Não tem vigilância suficiente, não tem câmeras. O segundo problema é o de gestão. Alguns têm diretores muito bons. Agora está sendo testado o Coronel Mendonça, que sempre se destacou por ser um PM muito bom. Mas infelizmente alguns diretores são nomeados por indicação política. Outros estados exigem dos diretores pós-graduação em Gestão Prisional. No Rio Grande do Norte não se exige coisa nenhuma. Não temos diretores com essas formação. Há um amadorismo na administração penitenciária. O outro problema grave é o da corrupção. Existe sim, por mais que os agentes não gostem quando a gente diz isso. Nós temos maus juízes e bons juízes, temos bons PMs e outros que merecem estar na cadeia. A mesma coisa com os agentes. A Coap instalou uma espécie de corregedoria que vai começar a apurar essa situações. No governo anterior, o corregedor foi preso supostamente extorquindo os agentes. Essa nova estásendo dirigida por um tenente da PM que parece dedicado. Major Deques fez milagres na Coap, José Olímpio também e agora Coronel Reis vai ter que fazer um curso com um santo qualquer para aprender a fazer milagres. Eles ficam fazendo pequenas coisas com o pouco que eles tem. Vai chegar uma hora que não tem mais jeito.

Será que já não chegamos a essa hora?

Essa impressão eu já tenho faz tempo. Ou o Estado resolver dar ao sistema penitenciário a atenção que ele merece, ou não tem mais o que fazer.

Alcaçuz chegou a ser considerado um presídio de segurança máxima. Ainda é esse o caminho que a Justiça tem para enviar um criminoso de alta periculosidade ?

As penas são aplicadas pelos juízes e o juiz da Execução Penal tem que fazer com que essa pena seja cumprida. Ele precisa fazer cumprir essa pena dentro do estabelecimento do estado. O juiz de Execução não tem outra coisa a ser feita. A lei prevê que eu posso fechar o estabelecimento prisional que for ruim. Eu vou lá, fecho Alcaçuz. O que eu vou fazer com osquase mil presos que tem lá? Vou deixá-los aonde? Não tem onde colocar. A gente acaba aceitando a situação que existe e tentando melhorar. Você vai causar um perigo maior para sociedade deixando eles soltos. Fogem alguns, mas a maioria continua lá dentro.

Até que ponto a desorganização do sistema penitenciário interfere no trabalho executado pelo senhor?

A maior interferência é o sistema não funcionar. E o que você vai fazer com os presos? Em Natal não tem regime fechado. Você tem os presos provisórios, que ao serem condenados devem ser transferidos para uma penitenciária. Nós temos a PEP e Alcaçuz. A PEP está lotada. As outras transferências são feitas para Alcaçuz. Infelizmente muitos fogem. Alguns desses que fugiram recentemente, foram apenados que a gente transferiu de Natal. Eram os presos da delegacias dos CDPs (Centros de Detenção Provisória). Então você fica na situação: os presos piores que tem penas maiores são retirados dos CDPs, que são frágeis, mas têm menos fugas, e são levados para um presídio de segurança. Lá eles fogem com mais facilidade. O outro problema muito mais grave está relacionado aos direitos dos presos. Alguém que é levado para Alcaçuz, o Estado é responsável pela segurança dele. Pavilhões velhos, presos armados, o preso novo termina sendo extorquido pelo preso que controla o pavilhão. O estado não manda dentro de presídio.

Em relação à fuga dos 41 presos. O senhor já recebeu a relação dos fugitivos ?

A gente fica sabendo das coisas pela imprensa. Infelizmente, há em Alcaçuz uma situação que a direção nem sabe efetivamente quem está preso lá. Algumas coisas estranhas ocorreram. Existe a possibilidade de que algumas fugas não tenham acontecido naquele dia. Simplesmente, naquele dia é que foram fazer a contagem e aqueles presos não estavam. Mas pode ser que que a fuga tenha sido antes, simplesmente porque o Estado não sabe quem está preso lá.

Precisa de novos mandados de prisão para esse fugitivos?

Isso.

Enquanto não tiver esses mandados, o que ocorre?

Interfere que a polícia não está procurando. Um policial do interior ou de outro estado para um sujeito desse e não tem como saber que tem um mandado de prisão expedido contra ele.

Em uma verificação de documentos não tem como se prender essa pessoa?
Não. Você não tem como saber que ela é foragida. E aliás é uma fantasia você dizer que a polícia está procurando os fugitivos. Onde? O policial que assumiu o serviço hoje vai procurar alguém que fugiu na semana passada de Alcaçuz? Não existe uma estrutura no sistema penitenciário ou na polícia para sair procurando. A Decap (Delegacia de Capturas) não tem nem essa estrutura. Lá tem milhares de mandados de prisão para serem cumpridos. É preciso ter um grupo de recaptura.

O cidadão pode acreditar que a polícia estaria verificando possíveis locais onde os fugitivos estão?

Eu duvido. Pode ser que um o outro mais famoso. Alguém que a polícia resolve procurar, um o outro policial, por conta própria. Nos primeiros dias a polícia se mobiliza, mas depois de alguns dias, ele ( preso) é pego quando está cometendo algum crime.

O senhor acredita que precisa ser criada uma estrutura dentro do sistema penitenciário para fazer essas recapturas ou isso deveria ser feito pela Polícia Civil?

Era da Polícia Civil, mas como ela não faz mesmo, o próprio sistema deveria ter. O sistema tem uma espécie de dossiê de cada preso. Examinando esse documento tem condições de saber detalhes daquele preso. Essa era uma reclamação de José Olimpio, que não tinha essa facilidade de contato com a Polícia Civil de forma que houvesse uma troca contínua de informações.

O senhor acha que a administração anterior de Alcaçuz era impotente ou conivente com as muitas situações do presídio?

Impotente. Eu digo porque vi várias vezes. Não quanto as notícias que foram divulgadas, que depois José Olímpio disse que não teria dito aquilo, sobre vídeos, etc. Mas informações que poderiam ter levado a prisão de mais gente, descoberto quadrilhas de tráfico e outras coisas desse tipo. Informações que existem dentro do sistema penitenciário, e que a Civil poderia ter apurado. Isso não acontece porque eles (coordenação do Coap) não sabem nem a quem levar. Se usa só a base da amizade. Eu conheço um delegado, você conhece alguém… As informações dentro do sistema penitenciário correm com muita facilidade. Os presos conversam com os agentes as coisas que sabem. E o agente recebe a informação e não sabe o que fazer com ela.

Tem alguma coisa que o senhor como cidadão pense do sistema penitenciário, que como juiz ainda não tenha falado?

Eu sou juiz de Execução Penal desde 1990, eu acompanho desde o começo o sistema, desde os governos anteriores. Acompanho esse trabalho de muito tempo. Minha esposa é agente penitenciária, eu tenho acompanhado sempre e tenho visto a vontade dos servidores do sistema de fazer funcionar. O Estado não tem interesse. Na cabeça de muitas pessoas, o preso deve ser colocar em uma ilha cercada de tubarões e ser esquecido para sempre. Na verdade, o sistema penitenciário deve mantê-los recolhidos pelo tempo que for necessário para que voltem para o seio da sociedade. A pena tem que ter a função pedagógica. O problema é que quanto o sistema não funciona, quando preso é solto antes da hora, quando ele foge, quando ele tem essa facilidade, esse efeito pedagógico desaparece. Para o resto da população é pior. A sensação que eu tenho como cidadão, que também sofro com crimes – tive um filho com revólver na cabeça durante um assalto – é de impotência. E pior, eu, como juiz de Execução, tenho feito reclamações. Há anos eu venho lutando, pedindo, brigando, falando com os secretários. Eu conheço todos eles. Conversei várias vezes com Leonardo Arruda, Dr. Thiago, e já tive alguns contatos com Fábio. Simplesmente eu não consigo fazer com que a cosia funcione. Mas a esperança a gente sempre tem.


Quatro presos fogem do CDP de Candelária

Quatro presos escaparam do CDP de Candelária na madrugada deste sábado (5). Segundo agentes penitenciários, os presos quebraram o concreto de uma das laterais da cela cinco. Seis conseguiram sair da cela, mas dois foram recapturados logo em seguida, um deles ferido no braço.

Adeilson Manoel de Oliveira, Aluízio Antônio Júnior, Kleber Corpeiro de Morais e Samuel dos Santos Ribeiros estão sendo procurados pela polícia.


Homem morre afogado na praia da Redinha Nova

Edmo de Oliveira Costa, 53 anos, morreu afogado na praia da Redinha Nova, litoral Norte do Estado. O afogamento ocorreu próximo ao Aquário Natal, por volta das 8h deste domingo (5).

Banhistas que estavam na praia perceberam que a vítima estava se afogando e a resgataram para a praia. De acordo com o tenente Cristiano Couceiro, do Corpo de Bombeiros, os guarda-vidas ainda tentaram reanimar o homem enquanto uma viatura do Samu se deslocava para o local, mas não obtiveram sucesso.

Após a chegada do Samu, os enfermeiros ainda utilizaram o aparelho desfibrilador para tentar reanimar Edmo de Oliveira, mas também não tiveram sucesso. Ainda de acordo com o tenente Couceiro, o irmão da vítima quase se afogou na tarde de ontem (4), no mesmo local onde ocorreu hoje o afogamento.


Um dos foragidos de Alcaçuz foi assassinado

Akceussamerson Silva de Souza, de 23 anos, foi morto na tarde de ontem sábado (4), na rua Aluízio Alves, em uma localidade conhecida por Paredão, no bairro Nordeste. A vítima era foragido do presídio estadual de Alcaçuz desde a última quinta-feira (2), quando outros cinco detentos também fugiram.

De acordo com o tenente Augusto, oficial do 9º Batalhão, a vítima foi alvejada por volta das 15h, na porta de casa, e caiu morto dentro do mangue. Os acusados, segundo o tenente, são vizinhos de Akceussamerson e teriam cometido o crime por vingança. "A vítima foi morta porque era apontado como sendo autor de um assassinato ocorrido dentro do Pavilhão 1 do presídio, crime cometido no ano passado", disse o oficial da PM.

A irmã de Akceussamerson, que se identificou como Dácila Souza, esteve no local do crime e disse para a reportagem do Portal BO que a vítima não participou de nenhum crime em Alcaçuz e estavam acusando ele injustamente.

Dácila relatou ainda que três homens armados de pistola chegaram na casa onde a vítima estava escondido e chamaram ele para fumar maconha e depois começaram a atirar. "Meu irmão ainda correu em direção ao mangue, mas não deu tempo e mataram ele inocentemente", comentou Dácila Souza.

Os policiais isolaram o local do crime e aguardaram a presença dos peritos do ITEP que encontraram seis perfurações no corpo de Akceussamerson provocadas por tiros. O caso será investigado pelo 7º Distrito Policial, no bairro das Quintas.


Comerciante reage a assalto e mata dois em Parnamirim, um deles é de Currais Novos

Javier, morreu na hora

Ontem sábado (04), por volta das 12h dois indivíduos foram surpreendidos quando tentava assaltar um comerciante distribuidor de gás, na Rua Professora Eugênia Talhares de Oliveira, no bairro Vale do Sol, na cidade de Parnamirim na grande Natal.

Segundo informações colhidas por populares que presenciaram o ocorrido, o comerciante de nome não identificado seguia em sua rota normal, fazendo a distribuição de gás em mercadinhos da cidade, quando dois elementos em uma motocicleta de cor preta, placa MYP-4924 Parnamirim/RN, se aproximaram do mesmo e anunciou o assalto, o vendedor de gás que se encontrava armado, decidiu reagir e balear e matar os dois acusados que tentou lhe assaltar. O mesmo atirou quatro vezes contra os meliantes logo, após um deles pulou o muro de uma residência em quanto o outro que tinha sido alvejado na perna não teve condições de seguir na fuga.

Jairo dos Santos Nascimento – Curraisnovense – Morreu depois de ser atendido

A vítima se aproximou do 1° assaltante, conhecido como Jairo dos Santos Nascimento, 34 anos de idade, natural de Currais Novos, e o baleou o mesmo logo depois, o 2° assaltante conhecido pelos populares apenas como “Javier”, ainda tentou se evadir, pulando muros de residências, mas como também foi alvejado com disparos, tombou e morreu no local. O comerciante, após alvejar os dois elementos se evadiu do local.

A motocicleta de placa MYP-4924, que os meliantes utilizaram para a tentativa de assalto, foi tomada de assalto no ultimo sábado (28/01), por volta das 16h30min, próximo ao posto de combustível Vale do Sol, na mesma cidade. Jairo ainda foi socorrido por uma equipe do SAMU para o hospital da cidade, mas veio a óbito antes de dar entrada na unidade hospitalar. Uma bolsa que estava nas costas do elemento conhecido como Javier, contia vários produtos que segundo a polícia é produto de roubo. Agora, cabe a polícia civil investigar se o comerciante agiu por legítima defesa, evitando o assalto.


Mulher baleada em padaria em Petrópolis fica paraplégica, confirma HWG

O assalto a uma padaria na Avenida Afonso Pena, Petrópolis, Zona Leste, no início da tarde de quinta-feira (3), deixou paraplégica uma das três vítimas baleadas, Elizângela Iva de Souza, 32 anos. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital Walfredo Gurgel na manha deste sábado(4). Além da Elizângela, uma funcionária do estabelecimento, Lenízia Pereira da Silva, 29 anos foi atingida com tiro no braço e Aldemir Pereira de Souza, 21 anos sofreu tiros no tórax e braço, mas foi socorrido pelo SAMU e não corre risco de morte.

Memória
Segundo o coronel PM Araújo, os suspeitos chegaram na padaria em um veículo modelo Chevette, de placas MXW-6464, uma viatura da polícia estava nas imediações e os suspeitos entraram como se fossem clientes e pouco tempo depois anunciaram o assalto. Após recolher o dinheiro do caixa, um dos bandidos efetuou disparos que atingiu pelo menos três pessoas  que estava no local.

Prisão
A Polícia Militar conseguiu prender na tarde desta sexta-feira (03) um dos suspeitos de participar no assalto a uma padaria na Avenida Afonso Pena, em Petrópolis. A prisão aconteceu na Avenida 11. O homem foi identificado como Cleílson Ferreira Pegado, 24 anos. Ele foi flagrado dirigindo o veículo utilizado durante o roubo e com uma espingarda calibre 12.
Cleílson Ferreira vai responder por tentativa de homicídio, assalto à mão armada e porte ilegal de arma. A polícia ainda não tem pistas sobre o paradeiro do terceiro homem que participou do assalto, mas, segundo o delegado Frank Albuquerque, uma quarta pessoa pode ter passado informações sobre o local, inclusive, presente no momento do assalto.